Bem vindo ao Anti-Religiosidade!

Combatendo heresias e compartilhado o amor e unidade do Evangelho,

sem estruturas, hierarquias ou complicações.











No Ano passado quando o país saiu às ruas, boa parte das igrejas se manteve inerte.
Em seus cultos de “vitória”, alheia ao cenário que além das mortes e da expressão clara da inocência de um povo, continha também, a síntese da falta de justiça;  a mesma falta tão condenada por Deus através da história e ao mesmo tempo tão cobrada de seu povo no velho testamento e exemplificada, vivida, ensinada e finalmente diante de Deus, consumada em Jesus Cristo no novo testamento.
Distante, como se fossemos de outro planeta, a igreja seguia, tapando os ouvidos à realidade que oprimia a todos e até aos que se julgavam e ainda hoje, se julgam, passageiros das “Aerolíneas do céu” na sala vip, aguardando o voo para a Nova Jerusalém, com ar condicionado e Coca-cola gelada (a última do deserto), porque afinal, o melhor desta terra são para eles, não importa de onde venha, ou se o resto do mundo geme enquanto isso…  O negocio, é possuir o melhor, ter o melhor, porque Deus, ora…  Deus está pouco ligando para o mundo que não quer ir pra igreja e não deu ouvidos ao Malafaia contribuindo com suas campanhas!  Ele é o Deus do: “Escreveu, não leu…o Pau comeu!”
Lembro-me que na época, fiquei tão indignado com a postura alheia dos chamados “cristãos”, que escrevi um artigo que foi publicado aqui: “Futebol, igreja vazia e a sub-vitória”.
No texto, falava do dia em que o Brasil enfrentou a Espanha pela Copa das confederações e mesmo depois de tudo o que já havia acontecido nas ruas, a igreja estava (em grande parte dos templos) vazia em seus cultos.
Nada anormal para um país que ainda não amadureceu e curte de montão, o “Pão e Circo” que lhe é oferecido; A surpresa não era essa; Era a “cara de pau” do pastor que já era um “amalgama” dos pastores da prosperidade, aqueles que falam de bênçãos e vitórias enquanto os membros de sua igreja e o resto do país sofrem necessidades básicas.  Ele, um líder respeitado, limitou-se a justificar a falta dos membros com o futebol e a ignorar o resto de toda a situação (sobretudo, a semana que antecedia a final da tal copa), dizendo às seguintes palavras: “…Uma coisa peço aos irmãos: Não fiquem tristes se o Brasil perder!”  e deu por terminado o show… Ops! Digo,… O culto.
Era o cúmulo da alienação, “fresquinha”, saindo de mais uma “fornada” , direto da igreja…
O Brasil já havia perdido e nem ele nem os seus “confederados” haviam se dado conta!
Era julho de 2013; O Brasil passava por uma prova de que muita sujeira precisava ser limpa pois o povo exigia isso.  A igreja evangélica como instituição manteve-se em grande parte alheia.  O Silas Malafaia veio a público e tentou tomar parte na noticia dando sua opinião e “influenciando” a classe que ainda o ouvia, sem no entanto orientá-la à uma posição cristã, de fato…  Tal como ocorre hoje na fala da maioria dos pastores.
O Tempo passou…
No entanto, como se regredíssemos, a situação do Brasil piorou para bons e mal entendedores…
A igreja tem sim, saído de seus guetos porque muita denuncia sobre dentro e fora dela tem sido feita e, a mesma ação do Espirito santo que a meu ver, “motivou” todo o pedido de justiça de um povo, tem feito com que os cristãos atentos à sua voz entendam que, tapar os ouvidos ao clamor do oprimido, não lutar por justiça, não assistir ao pobre em suas necessidades seja qual pobreza for e, sobretudo, agir como se fossemos de outro mundo, nada tem a ver com o motivo pelo qual fomos chamados.
Nada disso tem a ver com a vinda, com a vida e com a morte e ressurreição de Jesus.
Nada Disso tem a ver com o velho testamento, por mais que líderes, “megalômanos” galopantes o usem para, ao modo de Israel, fundar  um “estado crente”, insano, que só poderia encontrar respaldo em suas mentes alienadas.
A prova de que pioramos como país está bem debaixo de nossos narizes…
A prova de que pioramos como igreja, também.
Entretanto, a prova de que o Espirito santo tem congregado os seus, fazendo deles “cartas vivas” para este tempo, fazendo-os propícios e atuantes em seu amor,  só tem, os que escutam a sua voz.

E aí eu lhe pergunto:
Você ouve ao Malafaia, em suas novas campanhas com o Mike Murdock,  à Marisa Lobo em suas sandices em busca de sua candidatura??
Você ouve a pregadores e líderes que juram seguir a Jesus, mas que se distanciam cada vez mais dele?
Está à espera de que o Marco Feliciano ou outro, venha a fundar o país evangélico em que não haverá mais resistência aos desmandos dos “crentes”?
Ou resolveu finalmente parar para tentar ouvir e saber o que o Espirito Santo que deveria ter a primazia em seus ouvidos, está tentando dizer a eles?

A resposta à pergunta, é pra que você mesmo a ouça.

Porque se você não a ouvir…


Por Rogério Ribeiro.